Drinks Diary: O que significa para ti o “Dia da Mulher”?

O dia da Mulher é um dia muito importante, pois é a celebração  da emancipação feminina. É um dia especial pois relembra a igualdade de direitos e deveres, celebra a liberdade de expressão feminina.

Drinks Diary: É quase um cliché dizer que o Bar é um mundo de Homens, mas os números não mentem e as mulheres continuam a ser uma minoria. Porque achas que isso acontece?

Não  me parece que as Mulheres no Mundo do Bar continuem a ser uma minoria. O vencedor do maior concurso de bar a nível  internacional no ano de 2016 foi uma Mulher. E para todas nós  Barmaids é um orgulho e uma afirmação  na nossa história  enquanto bartenders.  Cada vez mais vemos Barmaids como Head Bartenders em diversos Bares pelo mundo fora.  O que se passa é que não  estão  todas nas “luzes da ribalta”, e talvez porque não  querem, ou porque a sociedade continua um pouco machista. O que é facto é que as há e muitas.  Posso enumerar inúmeras  Barmaids de excelente profissionalismos e que dão  muitas cartas no seu local de trabalho. Mulheres essas das quais me orgulho bastante, pois amam o que fazem e fazem-no excepcionalmente com paixão. Já  ouviram falar de Inês Moreira, Ana Sobral, Darcilia Silva, Sónia  Pereira, Rita Santos, Sara Mendes, Carolina Viana, Ana Camacho, Joana Leal, Tatiana Cardoso, Ana Aires, Iola, Ana Luísa  Rocha, Lara Esteves, Lia Igreja Oliveira… entre tantas outras!

Drinks Diary: Já te aconteceu alguma situação caricata atrás do bar, que achas que não teria acontecido se fosses um Homem?

Que me lembre não.

Drinks Diary: Ser mulher e trabalhar “na noite”. Existe ou não um estigma social em relação a isso?

Continua a existir infelizmente, e eu por opção  prefiro  não  trabalhar na “noite”. Não  são  todas as pessoas que julgam as mulheres que trabalham na noite, contudo continuam a existir pessoas sem noção. Mas o estigma já  não  é o mesmo que há  uns anos atrás.

Drinks Diary: Enquanto profissional sentes que és valorizada pelos teus pares?

Sim. Amo a minha “família”.

Drinks Diary: Como é que o “mundo do bar” surgiu na tua vida?

É uma paixão  muito antiga, desde nova que se misturavam umas bebidas em casa, saía à  noite com os meus pais e sempre me senti atraída  por este mundo. Sempre passei as férias de verão no algarve e a coquetelaria sempre esteve em altas nessa região, portanto sempre tive contacto com este mundo. Entretanto tinha eu já 19 anos, uma amiga abriu um bar e eu dava uma ajuda e comecei a alimentar  o “bichinho” que não  pára de crescer.

Drinks Diary: Na tua opinião, de que forma é que a indústria de bebidas pode tornar-se mais inclusiva para as mulheres?

Sinceramente? Gostava de ver mais mulheres embaixadoras de Marca em Portugal. Lá  fora são  inúmeras e por cá  são  muito poucas, as mulheres são  tão  ou mais capazes que os homens.

Drinks Diary: Nos locais onde trabalhas costuma haver a celebração do dia da mulher?

Sim, todos os locais onde trabalhei celebram  este dia. Afinal sem nós Mulheres a vida não  era a mesma coisa!

PARTILHARShare on FacebookTweet about this on Twitter