Barista é o profissional tecnicamente especializado em cafés e seus derivados. Esse profissional é responsável por preparar e servir cafés, sejam eles expressos, bebidas de café com leite, café de filtro (Brewing),  além de desenvolver bebidas à base de café, com licores, cremes, bebidas alcoólicas, etc.

O barista deve ter profundo conhecimento sobre a história do café, as características do grão em verde, os processos de plantação, as várias formas de colheita, torra e moagem, além de conhecimento especializado da extracção da bebida. O Barista em última análise é o elo de ligação entre o produto e o cliente final. Esta será sempre uma definição técnica do que deverá ser um Barista, mas na sua essência um Barista deverá ser um apaixonado do café. Deverá ser um elemento que trata o “Café” como o seu bem mais precioso, alguém que respira café desde que acorda até se deitar.

Com estes aspectos todos ficamos perante duas realidades completamente diferentes: a realidade nacional e a realidade internacional. Sobre a realidade internacional, basta referenciar que o mercado de café de especialidade está ao rubro, onde países como Austrália, Coreia do Sul, Estados Unidos da América, Alemanha, Reino

Unido e muitos mais, têm experienciado um crescimento exponencial tanto em quantidade como em qualidade, micro roasters têm implementado um negócio baseado na qualidade onde um Barista é visto como um especialista, alguém imensamente competente e profissional na sua atividade. Na minha opinião, o caminho do Barista relembra a evolução que o Enólogo sofreu há uns bons anos atrás. Posso afirmar que hoje em dia Baristas de renome internacional ocupam um lugar de destaque idêntico a grandes chefes de cozinha.

Comparativamente, em termos nacionais a implementação do Café de Especialidade ainda não sofreu o seu grande impulso inicial. Recentemente assistimos a abertura de alguns estabelecimentos que querem dar a conhecer o Café de Especialidade aos portugueses. O grande fluxo de turistas na cidade de Lisboa muito tem contribuído para a mudança de mentalidades, dado que esse fluxo veio criar a necessidade de fornecer um serviço que em Portugal ainda não existia.

Em termos nacionais a palavra Barista ainda é olhada com desconfiança e desconhecimento dado que as marcas portuguesas e os estabelecimentos comerciais ainda não visionaram o potencial que

o Barista poderá trazer ao “negócio”. Um Barista será o elemento que eleva a qualidade do serviço ao cliente, a formação de um Barista incide sobre parâmetros elevados de qualidade, regras bem definidas e uma atenção extrema ao detalhe para com a profissão e com o cliente.

O mercado do café em Portugal sendo um mercado tradicionalmente de cafés comerciais, desde sempre teve como base a venda de cafés de preço reduzido, logo com uma qualidade também reduzida.

O café servido na generalidade do país tem como base lotes compostos por uma maioria de Robustas e pouca percentagem de Arábicas, sendo os Robustas cafés de preço mais reduzido em grão verde, mas com uma qualidade inferior aos Arábicas. Os Arábicas são os denominados cafés de qualidade, cafés com mais aromas, flavors e com menos teor de cafeína. Num próximo artigo irei desenvolver esta temática de uma forma mais específica.

O Café de Especialidade incide sobre os Arábicas de qualidade, onde as torras moderadas imperam de forma a potenciar todos os aromas e sabores que o café pode oferecer e dando um lugar de destaque a acidez, quando são cafés de altitude. E é aqui que o Barista adquire o seu lugar de destaque, sendo um mercado com características mais específicas, foi criada a necessidade que a força laboral acompanhasse a qualidade do produto. O Barista tornou-se assim o elemento que trata o café como ele merece, respeitando as suas características e as suas propriedades e servindo como elo de ligação entre o produto e o cliente final.

Nos próximos anos, com a mudança do mercado, com a crescente exigência de uma maior qualidade, será cada vez mais frequente você ver o seu café ser servido por um profissional do café, prestando esse serviço com elevados níveis de profissionalismo e sempre com o foco na qualidade.

Sendo eu Barista há 7 anos, tenho lutado para o desenvolvimento desta profissão. Os próximos artigos serão todos escritos com o intuito de dar a conhecer o mundo do café e todas as suas magnificas características. Barista é o profissional tecnicamente especializado em cafés e seus derivados. Esse profissional é responsável por preparar e servir cafés, sejam eles expressos, bebidas de café com leite, café de filtro (Brewing), além de desenvolver bebidas à base de café, com licores, cremes, bebidas alcoólicas, etc.

O barista deve ter profundo conhecimento sobre a história do café, as características do grão em verde, os processos de plantação, as várias formas de colheita, torra e moagem, além de conhecimento especializado da extracção da bebida. O Barista em última análise é o elo de ligação entre o produto e o cliente final. Esta será sempre uma definição técnica do que deverá ser um Barista, mas na sua essência um Barista deverá ser um apaixonado do café. Deverá ser um elemento que trata o “Café” como o seu bem mais precioso, alguém que respira café desde que acorda até se deitar.

Com estes aspectos todos ficamos perante duas realidades completamente diferentes: a realidade nacional e a realidade internacional. Sobre a realidade internacional, basta referenciar que o mercado de café de especialidade está ao rubro, onde países como Austrália, Coreia do Sul, Estados Unidos da América, Alemanha, Reino

Unido e muitos mais, têm experienciado um crescimento exponencial tanto em quantidade como em qualidade, micro roasters têm implementado um negócio baseado na qualidade onde um Barista é visto como um especialista, alguém imensamente competente e profissional na sua atividade. Na minha opinião, o caminho do Barista relembra a evolução que o Enólogo sofreu há uns bons anos atrás. Posso afirmar que hoje em dia Baristas de renome internacional ocupam um lugar de destaque idêntico a grandes chefes de cozinha.

Comparativamente, em termos nacionais a implementação do Café de Especialidade ainda não sofreu o seu grande impulso inicial. Recentemente assistimos a abertura de alguns estabelecimentos que querem dar a conhecer o Café de Especialidade aos portugueses. O grande fluxo de turistas na cidade de Lisboa muito tem contribuído para a mudança de mentalidades, dado que esse fluxo veio criar a necessidade de fornecer um serviço que em Portugal ainda não existia.

Em termos nacionais a palavra Barista ainda é olhada com desconfiança e desconhecimento dado que as marcas portuguesas e os estabelecimentos comerciais ainda não visionaram o potencial que

o Barista poderá trazer ao “negócio”. Um Barista será o elemento que eleva a qualidade do serviço ao cliente, a formação de um Barista incide sobre parâmetros elevados de qualidade, regras bem definidas e uma atenção extrema ao detalhe para com a profissão e com o cliente.

O mercado do café em Portugal sendo um mercado tradicionalmente de cafés comerciais, desde sempre teve como base a venda de cafés de preço reduzido, logo com uma qualidade também reduzida.

O café servido na generalidade do país tem como base lotes compostos por uma maioria de Robustas e pouca percentagem de Arábicas, sendo os Robustas cafés de preço mais reduzido em grão verde, mas com uma qualidade inferior aos Arábicas. Os Arábicas são os denominados cafés de qualidade, cafés com mais aromas, flavors e com menos teor de cafeína. Num próximo artigo irei desenvolver esta temática de uma forma mais específica.

O Café de Especialidade incide sobre os Arábicas de qualidade, onde as torras moderadas imperam de forma a potenciar todos os aromas e sabores que o café pode oferecer e dando um lugar de destaque a acidez, quando são cafés de altitude. E é aqui que o Barista adquire o seu lugar de destaque, sendo um mercado com características mais específicas, foi criada a necessidade que a força laboral acompanhasse a qualidade do produto. O Barista tornou-se assim o elemento que trata o café como ele merece, respeitando as suas características e as suas propriedades e servindo como elo de ligação entre o produto e o cliente final.

Nos próximos anos, com a mudança do mercado, com a crescente exigência de uma maior qualidade, será cada vez mais frequente você ver o seu café ser servido por um profissional do café, prestando esse serviço com elevados níveis de profissionalismo e sempre com o foco na qualidade.

Sendo eu Barista há 7 anos, tenho lutado para o desenvolvimento desta profissão. Os próximos artigos serão todos escritos com o intuito de dar a conhecer o mundo do café e todas as suas magnificas características.

Artigo de opinião escrito por David Coelho, Bicampeão Nacional Barista, para a primeira edição da Revista Drinks Diary.

PARTILHARShare on FacebookTweet about this on Twitter