O Pukiki Bar ocupa o topo de uma colina no Estreito da Calheta. À sua direita avista-se o Funchal que se espalha selvagem pelas encostas, à sua frente o azul profundo do mar. Pode-nos parecer estranho o lugar remoto onde o casal Carla Marques e Martin McDermott decidiram abrir um bar Tiki, mas quando lá se chega e se respira o ar puro e se descansa a vista na paisagem percebemos o que os levou a abandonar uma vida na movimentada cidade de Manchester e a recomeçar a vida na Ilha da Madeira.

Quando viviam em Manchester dedicavam-se ao design e Carla enveredou por uma carreira reconhecida enquanto Pin Up Model, mas o cansaço acumulado de uma vida agitada, o enorme desejo de ter cães e a paixão pela cultura vintage fê-los começar a sonhar com uma vida calma, no sopé da montanha, com tempo para passear os cães pela manhã e para criar coisas novas.

DD-Pukiki-03102016-3276
DD-Pukiki-03102016-3363
DD-Pukiki-03102016-7387

Quando apareceu o imóvel na Rua das Furnas no estreito da Calheta, uma antiga mercearia e taberna dos anos sessenta, foi como se ele os encontrasse e mesmo estando devoluto e a necessitar de obras fizeram as malas e mudaram-se para a Madeira, sem sequer o ver presencialmente.
O processo de restauração da casa levou alguns meses e foi feito a quatro mãos, mas finalmente em junho passado o Pukiki Bar abriu as portas das suas duas salas acolhedoras, do pequeno quintal e do terraço com vista para o mar.

Hawaii e Madeira: Ilhas irmãs

Pukiki foi o nome que os habitantes do Hawaii deram aos emigrantes que chegaram da Madeira no final do século XIX.
As ilhas são semelhantes em termos de clima e partilham a mesma origem vulcânica. Daí terem a mesma propensão para a cultura da cana do açúcar.
Corria o ano de 1879 quando o Hawaii se debatia com falta de mão de obra especializada e um Botanista alemão ao serviço do Rei Kamehameha se lembrou de ter visitado a Madeira e de também lá haver plantações de cana de açúcar.
Ao mesmo tempo, na Madeira viviam-se tempos difíceis devido a uma seca que estava a prejudicar as vinhas, e os madeirenses procuram alternativas de vida. Este encontro de vontades levou o Hawaii a oferecer condições vantajosos para os madeirenses viajarem e começarem uma nova vida com as suas famílias. Muitos aceitaram e partiram à aventura levando consigo os ensinamentos sobre a cultura da cana de açúcar, mas também a sua música e gastronomia. Ainda o hoje o pão doce é popular no Hawaii, os Pukikis deixaram a sua marca na ilha.
Ao escolher o nome Pukiki para o bar Carla e Martin quiseram fazer uma ponte entre as duas ilhas e celebrar este facto histórico pouco conhecido.
A este tema juntaram as cores e flores havaianas à irreverência da cultura tiki e deram o lugar centrar no seu menu ao Rum, ou não fosse este o espirituoso mais nobre que se extrai da cana de açúcar.

Aloha é então a palavra de ordem deste espaço, um local descontraído e colorido, muito acolhedor nos seus tetos baixos e no ar rústico das paredes.

DD-Pukiki-03102016-3407
DD-Pukiki-03102016-3478
DD-Pukiki-03102016-3536

Somos transportados a todo o momento para outra Era, seja porque Carla veste um bonito vestido trazido dos anos 50 do século passado, seja porque há flores e copos tiki espalhados pela decoração, ou simplesmente porque naquele espaço não há barulhos desta Era, os carros passam espaçados na estreita estrada. Ouvem-se pássaros e os cães, ao longe o bater constante das ondas nas rochas e o vento que sopra brando trazendo o cheiro salgado e fresco do mar.

O espaço ainda está a crescer e a organizar-se, dizem-nos que esperam em breve abrir a cozinha e servir petiscos, que haverá espaço para pequenos momentos musicais, e que a casa mantém-se em mutação constante, porque como todas as casas antigas tem uma alma que precisa de reparação e cuidados até voltar à sua dignidade inicial.

Sentámos ao balcão e começamos por provar um cocktail para partilhar, uma interessante mala de viagem recheada de Rum de onde saiam palhinhas coloridas. O Pukiki Sharer foi pensado para 2 a 4 pessoas e é uma homenagem à viagem dos madeirenses para o Hawaii. A que se seguiu um Vietnam, uma brincadeira que nos remete de novo à alma da casa, antiga mercearia e taberna, local onde os pescadores se esqueciam dos males da vida e por vezes entre uma poncha e outra brigavam dando má fama ao local, parece que ali se brigava muito, era pior que o Vietnam!

O menu viaja depois pelos clássicos do Rum e uma selecção de Rum com 67 referências e com tendência para crescer. Nenhum dos dois tinha experiência no ramo, tinham curiosidade e paixão, eram clientes de um Tiki Bar em Manchester e visitaram muitas feiras de bar, provaram e testaram e estão a crescer com a casa ainda em constante descoberta e adaptação.

O Pukiki Bar está envolto desta aura mística do sonho concretizado, que podemos ler no sorriso dos donos. Mas também lemos o folclore do local, o Vietnam das aldeias da redondeza, a casa que continua a manter o seu desígnio de receber pessoas embora quase tenha perdido a esperança de o voltar a fazer por a terem deixado chegar à ruína.

Respira-se mar e essa vibração tão positiva que o imaginário havaino nos transmite.

 

 

 

Pukiki Sharer

90ml Rum agrícola da Madeira
90ml Rum branco
45ml Blue Curacao
270ml Sumo de ananás
60ml Sumo de limão
30ml Xarope de açúcar

 

 

 

 

Aged Calheta Daiquiri

45ml Aguardente Velha de Cana – 15 anos
30ml Toranja (rosa)
15ml Xarope de canela caseiro
22ml Sumo de lima

PARTILHARShare on FacebookTweet about this on Twitter