O Sidecar será um British Gentleman ou um Monsignor Parisien? Será apenas mais um twist no Daiquiri como declarou David A. Embury na sua obra de 1948 “The Fine Art of Mixing Drinks” ou é um Brandy Sour?

Como sempre a história faz-se de muitas estórias e o nascimento deste cocktail clássico não tem uma história definitiva.

Há, no entanto, um consenso o Sidecar é um cocktail que surgiu algures na época da primeira Guerra Mundial, e que se generalizou nos loucos anos vinte que se lhe seguiram.

A teoria do nascimento do cocktail em terras de sua majestade aparece logo em 1922 num livro de Harry MacElhone e em outro de Robert Vermiere, ambos defendiam que o Sidecar foi inventado por Pat MacGarry no Buck´s Club em Londres.

Mas Embury, no já citado livro, vem contrapor esta ideia afirmando em 1948 que o Sidecar foi inventado por um conhecido seu num pequeno Bistrô de Paris. Esse seu amigo viajaria numa dessas motas com Sidecar. Mas a teoria que reclama a nacionalidade francesa para o Sidecar tem ainda outra ramificação que passa pelo bar do famoso Hotel Ritz que reclama a autoria do Cocktail para si dando a Frank Meier as honras da autoria da receita.

Dale Degroff veio ainda baralhar mais a história ao afirmar na sua obra “The Essential Cocktail” de 2008 que o que se contou atrás são balelas e que o Sidecar é Americano nascido e criado em Nova Orleães no século XIX. Sidecar seria um termo usado pelos Bartenders para nomear os restos das garrafas de bebidas que bebiam em shots.

Gary Reagan, no seu livro  “The Joy of Mixology” afirma não saber quem inventou o Sidecar, mas que de certeza essa pessoa nunca tinha ouvido falar do Brandy Crusta e da fórmula que este usa e que eventualmente se ramificou criando cocktails como a Margarita, o Kamikaze e o Cosmopolitan, algo que se tivermos em conta a afirmação de David A. Embury, de que o Sidecar inicialmente tinha seis ou sete ingredientes faz todo o sentido.

A receita que chega até hoje, e que foi mencionada em 1948 por Embury tem apenas três ingredientes: brandy, triple-sec e sumo de limão.

As quantidades de cada um dos ingredientes não é, no entanto, consensual. A receita de Embury continha oito partes de brandy para uma parte de triple-sec e duas partes de sumo de limão.

A receita de origem francesa reclama partes iguais de Cognac, Cointreau e sumo de limão, mas a receita inglesa afirma que o rácio correto se fica em duas partes de brandy para partes iguais de Triple-sec e sumo de limão.

Mas Gary Regan afirma que nenhuma destas medidas servem a todos os Brandies e que deve ser tido em conta a marca a usar, e consoante a marca o Bartender deve ajustar as medidas de cada ingrediente. Mas não só o Brandy deve ser tido em conta, o Triple-sec é um licor de laranja que varia muito de marca para marca, o resultado final não será o mesmo se usarmos Cointreau ou Grand Marnier.

Por isso o autor sugere que o Bartender prove os ingredientes e faça os ajustes necessários a criar o equilíbrio desejado para um bom cocktail. Os ingredientes devem ser misturados no shaker, agitados vigorosamente e vertidos para um copo de cocktail com um anel de açúcar no rebordo.

Não importa qual a nacionalidade, o Sidecar será sempre um sinónimo de classe e elegância, um cocktail que é na essência um clássico intemporal, que consegue com três ingredientes deixar uma impressão única em quem o bebe.

 


 

 

Sidecar

50ml Brandy VS ou VSOP

30ml Triple-Sec

35ml Sumo de limão

 

Rebordo de açúcar no copo

 

Nota: Na elaboração do Sidecar, uma vez que é um cocktail que contém apenas três ingredientes, e um deles é sumo de limão fresco, há que ter os ter em consideração.  Será interessante investir algum tempo a experimentar os diversos tipos de Brandy e ver os diferentes resultados.  Por norma os Brandies mais novos são mais frutados serão os VS e os VSOP. Por outro lado o XO fará cocktail mais requintado e mais complexo, mas também com um beverage cost muito mais elevado. Já os triple-sec são tão diferentes entre eles, desde a graduação alcoólica, passando pela quantidade de açúcar ou pelo sabor mais ou menos intenso, que as diferentes combinações farão cocktails com perfis diferentes.

 


 

 

PARTILHARShare on FacebookTweet about this on Twitter