Tom Collins é um cocktail clássico, cuja simplicidade da receita é desarmante. Gin, sumo fresco de limão, xarope de açúcar e água com gás, misturados num copo alto naquela que é considerada a “Tallest of all Tall Drinks”.

Como qualquer clássico que se prese, as versões sobre a autoria da receita são variadas, sabemos hoje que o aparecimento da receita pode não coincidir com o momento em que o cocktail foi batizado, por isso a história dos cocktails é por vezes esta mistura hilariante de situações.  A história do Tom Collins não é diferente.

O Tom Collins é um cocktail da família dos Collins, cocktails que são na sua essência sours em que se parte do espirituoso base, que pode ser Gin, Vodka, Whisky ou qualquer outro. A este espirituoso base junta-se depois o sumo de limão, xarope de açúcar e água com gás e serve-se em copo alto.  Pode ser um highball ou o copo criado para o efeito, o copo Collins.

O que diferencia um cocktail da família dos Collins de um cocktail da família dos Fizz já que os ingredientes são por vezes os mesmos?

A discórdia é grande nesta área, mas diríamos que é o método de confeção para começar. Enquanto que o Tom Collins, por exemplo, é feito diretamente no copo e misturado de forma discreta de forma a preservar o gás da água durante mais tempo, no Fizz todos os ingredientes, exceto a água com gás, são misturados no shaker e depois é lhe acrescentado a água com gás, este procedimento faz com que o gás se liberte mais rapidamente dando uma sensação mais frisante à bebida. Talvez por isso, um Fizz é servido num copo mais pequeno, e bebe-se mais rapidamente que um Collins.

Voltando às origens do aparecimento do Tom Collins podemos dizer que a receita com este nome aparece impressa pela primeira vez num livro de Jerry Thomas “The Bartender´s Guide” publicado em 1862. Aqui apareciam três versões do Tom Collins: Tom Collins Whiskey, Tom Collins Brandy e Tom Collins Gin.

Mas antes de ser Tom Collins, foi John Collins o nome do Bartender do Limmer´s Hotel em Londres que foi imortalizado em quadras no início do século XIX.

 

“My name is John Collins, head-waiter at Limmer´s

The corner of Conduit Street, Hanover Square

My Chief occupation is filling of brimmers

To solace young Gentlemen laden with care”

 

A canção foi escrita pelos irmãos Sheridan, netos de Richard Brinsley Sheridan um dos mais espirituosos dramaturgos da altura, para matar o tempo e continuava “Shall we bring you a pint, or a bottle of Sherry, to drink the good health, and long life of Old John”.

A canção perdeu-se nas memórias, mas tinha como função homenagear o Bartender e a bebida que ele servia, o “Gin-Punch” que Frank Sheridan, um dos irmãos gostava tanto.

Não se sabe ao certo a receita que John servia no Limmer´s, mas a ter em conta o Gin Punch que se servia por essa altura em locais como o London´s Garrick Club, que combinava Gin com sumo de limão e Licor Marasquino com água com gás, seria algo do género.

Sendo esta a receita ou não, o certo é que o Gin Punch ficou com o nome do Bartender, e passou a ser chamado de John Collins e em menos de nada viajava pelo mundo.

Segundo David Wondrich, no seu livro IMBIBE! essa viagem aconteceu através das altas patentes do exército inglês e dos aristocratas que viajavam chegando a Nova Iorque no fim da década de 1850. Segundo o New York World, aparece depois o primeiro registo impresso em 1865 e o John Collins passa a ser uma bebida indispensável dos verões quentes de Nova Iorque.

Que se passou então para o John Collins chegar a ser apelidado de Tom Collins no “Bartender’s Guide” de Jerry Thomas na nova versão de 1876?

Os historiadores defendem que a América é um país muito grande e a informação nessa altura demorava a viajar e por vezes era distorcida pelo caminho, porque quem conta um conto acrescenta um ponto. A história avança depois para uma peripécia que seria impossível nos dias que correm, uma partida. Conta-se que por volta de 1874 alguém inventou uma partida que consistia em dizer a alguém que um tipo chamado Tom Collins andava a falar mal de si a toda a gente e que o tinha acabado de o ver, na esquina, no outro lado da cidade ou no bar, não interessava.  Alguns Bartender´s acabaram por servir Tom Collins a quem aparecesse a perguntar se viu o Tom Collins e cobrar a bebida. Há relatos em jornais desta partida que ainda causou conflitos fatais. O facto é que na altura o John Collins era maioritariamente feito com Old Tom Gin e o nome pegou, ainda mais porque ninguém conhecia o Old John e a antiga canção sobre o Bartender do Limmer´s, bar que ficava no outro lado do Atlântico.

Seja ou não o Gin Punch do Old John, brindemos à sua memória com um Tom Collins, em copo alto para degustar lentamente!

 

 

Tom Collins

50ml Gin

25ml Sumo de limão fresco

20ml Xarope de açúcar

Top up água gaseificada

Comece por encher um copo alto com gelo até acima, adicione todos os ingredientes e misture com a colher de bar gentilmente. Decore com uma fatia ou zest de limão.  

 

 

 

PARTILHARShare on FacebookTweet about this on Twitter